Classificação dos Resíduos Sólidos na Indústria.

 O crescimento industrial, os avanços tecnológicos e os padrões de vida mais elevados da sociedade atual contribuem para a geração cada vez maior de resíduos sólidos. 

O parque industrial é uma das mais importantes bases fabris e um indicador de desenvolvimento do país, no entanto, cada processo de fabricação geralmente gera alguma quantidade de resíduos não consumíveis, causando efeitos adversos no meio ambiente.

O foco nas fontes de resíduos sólidos, no que diz respeito à gestão, é justificado pelo fato de que as características e composição dos resíduos diferem de acordo com a fonte. A ABNT NBR 10.004 elaborada pela Comissão de estudo especial de resíduos sólidos (ABNT/CEET - 00.001.34), classifica os resíduos de acordo com seu grau de risco: Toxicidade, Inflamabilidade, Reatividade e Patogenicidade.

 O que é um resíduo sólido?

O "resíduo sólido" é qualquer objeto e/ou material descartado ou refugo, lodo de uma estação de tratamento de águas residuais, material descartado resultante de operações industriais, comerciais, de mineração e agrícolas, e da comunidade. Ou seja, quase tudo o que fazemos, gera algum tipo de resíduo. 

A PNRS, LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010, define da seguinte forma:

Resíduos sólidos: material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d’água, ou exijam para isso soluções técnicas ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível (fonte: Lei 12.305);

É importante notar que a definição de resíduo sólido não se limita aos resíduos que são fisicamente sólidos. Muitos resíduos sólidos podem conter líquidos, ser semissólidos ou ter materiais gasosos contidos neles. 

Classificação de Resíduos de acordo com ABNT NBR 10.004 de 2004. 

Resíduos de Classe I – Perigosos: são estes os resíduos que requerem a maior atenção por parte do administrador, uma vez que os acidentes mais graves e de maior impacto ambiental são causados por esta classe de resíduos. Estes resíduos, em função de suas propriedades físico-químicas e infectocontagiosas, podem apresentar risco à saúde pública e ao meio ambiente. Os Resíduos Perigosos de Classe I devem ser acondicionados, armazenados temporariamente em embalagens homologadas e incinerados, tratados ou dispostos em aterros sanitários próprios para receber resíduos perigosos.  

Leia também:

QUAIS OS TIPOS MAIS COMUNS DE RESÍDUOS PERIGOSOS? 

Resíduos de Classe II-A – Não inertes: tal como os resíduos de Classe II-B os resíduos de Classe II-A podem ser dispostos em aterros, entretanto, devem ser observados os componentes destes resíduos (matérias orgânicas, papéis, vidros e metais), a fim de que seja avaliado o potencial de reciclagem. Os Resíduos não inertes de Classe II-A tem baixa periculosidade, mas ainda oferecem capacidade de reação química em certos meios, estes resíduos se caracterizam por sua biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em água. 

Resíduos de Classe II-B – Inertes: podem ser dispostos em aterros sanitários. Os resíduos considerados inertes, possuem baixa capacidade de reação, podem ser dispostos em aterros sanitários ou reciclados, pois não sofrem qualquer tipo de alteração em sua composição com o passar do tempo. 

O que é gerenciamento de resíduos sólidos?

O gerenciamento de resíduos sólidos é um termo usado para se referir ao processo de coleta e tratamento de resíduos sólidos. Também oferece soluções para a reciclagem de itens que podem ser reaproveitados dos resíduos. O resíduo sólido pode ser considerado um problema, a gestão de resíduos trata de como os resíduos sólidos podem ser alterados e usados como um recurso valioso ou pelo menos mitigar o passivo ambiental.

 Gerenciamento de resíduos sólidos, envolve desde a separação na indústria, a coleta, tratamento e destinação final demateriais sólidos que são descartados porque cumpriram sua função ou não têm mais utilidade. O descarte inadequado de resíduos sólidos urbanos pode criar condições insalubres e essas condições, por sua vez, podem levar à poluição do meio ambiente e a surtos de doenças transmitidas por vetores, ou seja, doenças transmitidas por roedores e insetos. 

As indústrias de manufatura leve e pesada, canteiros de obras, fábricas, fábricas de conservas, usinas de energia e produtos químicos são reconhecidamente um dos maiores contribuintes para os resíduos sólidos. Essas indústrias produzem resíduos sólidos na forma de resíduos domésticos, resíduos de alimentos, resíduos de embalagens, cinzas, materiais de construção e demolição, resíduos especiais,  resíduos médicos  e outros resíduos perigosos.

Identificação do Resíduo Sólido Perigoso

O resíduo sólido perigoso deverá ser armazenado devidamente rotulados nos locais previamente definidos e sinalizados; As fichas contendo orientações de primeiros socorros em caso de acidentes, que obrigatoriamente devem acompanhar os produtos deverão ser enviadas pela área de Recebimento ao responsável pelo setor onde o produto ficará armazenado, para afixação junto ao mesmo; Os locais destinados a armazenagem de produtos químicos, deverão estar adequadamente sinalizados, quanto ao produto e grau de agressividade do mesmo (ABNT NBR-7500). Os produtos químicos armazenados em prateleira deverão ter suas posições definidas e identificadas por nome do produto, nome comercial, quando de domínio público, e código de estoque. 

Escolha a Embalagem correta para resíduos perigosos!

 O uso da embalagem homologada é crucial para evitar acidentes, salvaguardar a vida do pessoal que manuseia o Big Bag ou que trabalha nas instalações onde são armazenados (ex. risco de combustão espontânea), e principalmente para evitar danos ao meio ambiente (ex. contaminação do solo, explosão, emissão de gases).

 

Ao transportar resíduos perigosos, como por exemplo borra de tinta, lodo galvânico, use somente embalagem homologada pelo INMETRO. Ao adquirir Big Bag homologado para transporte terrestre de produto perigoso, procure um fabricante que tenha o certificado emitido por um Organismo Certificador de Produto (OCP), acreditado pelo INMETRO.  

Você pode contar com a EmbTec para fornecer os Big Bags Homologados pelo Inmetro e Marinha, que é atualmente uma das fabricantes com maior número de produtos homologados no Brasil. Preencha o formulário abaixo, que entraremos em contato com você.

Tags.: Resíduo perigoso, resíduo sólido, meio ambiente, gestão de resíduos, resíduo classe I, resíduo classe II.